Alexandria (Agora)

Dirigido por Alejandro Amenábar. Com: Rachel Weisz, Max Minghella, Oscar Isaac e Ashraf Barhom.

Conta a história da astrônoma/ filósofa Hypatia de Alexandria (Rachel Weisz) e sua relação com seu escravo Davus (Max Minghella). Este encontra-se dividido entre o amor pela sua senhora e a possibilidade de obter sua liberdade juntando-se à corrente em ascensão conhecida como Cristianismo.

 

 

“Sinesius, se você não questiona o que acredita, não pode acreditar. Eu devo questionar.”

Esta é a frase dita por Hypatia (Rachel Weisz) para um de seus ex-alunos que tenta convencê-la a aceitar o cristianismo. Acredito que seja a melhor frase do filme e que devia estar como tagline do DVD (não vi a capa, mas duvido que seja), além de que todos os seres pensantes deviam ter como princípio, pois nada que você não pode duvidar, que lhe é imposto é bom, do contrário não precisaria ser imposto.

Historicamente, Alexandria tem como tema a ascensão do cristianismo na época de Hypatia, uma mulher astrônoma, matemática, cientista, filósofa e professora muito à frente de seu tempo e cujas descobertas são usadas até hoje; assim, com a ascensão do cracionismo, quer dizer, do cristianismo, temos a incalculável perda da biblioteca de Alexandria, cujo objetivo era acumular todo o conhecimento do mundo, mas que antes de isto acontecer, foi queimada por cristãos e muito pouco foi salvo pelos pagãos que conseguirem fugir. Cinematograficamente falando, acredito que o filme seja sobre determinação, que foi em cima disso que o diretor Alejandro Amenábar construiu esta projeção indispensável de assistir. Falo isso porque podemos observar durante toda a trama a determinação dos cristãos de imporem sua crença, a determinação dos judeus de “justiça” e a determinação de Hypatia para com a ciência.

No meio da trama, podemos observar dois indícios de relações amorosas, um do prefeito da cidade de Alexandria depois do cristianismo estabelecido com Hypatia e outro de um ex-escravo de Hypatia com esta mesma, contudo, a trama parece evitar este envolvimento e não foca de maneira alguma deste assunto, ele deixa claro que Hypatia era dedicada aos seus estudos, suas descobertas. Assim, o roteiro deixa esta questão em aberto para pesquisas pessoais.

O filme não decepciona, nele você encontra características de filmes épicos que agradam a todos. Se você conhecer a história, pode esperar mais exatidão quanto ao período em que os personagens vivenciam os acontecimentos, mas não acredito que atrapalhe, pois tem outros aspectos como produção, direção de arte e fotografia que fazem valer ainda mais. É uma ótima indicação para quem gosta de história e para quem acha que cristãos foram os bonzinhos como na maioria dos filmes que vemos por aí.

O título original do filme é Agora, este era o termo utilizado na Grécia Antiga para um lugar aberto, podendo ser movimentado como um mercado. A biblioteca era um Agora.

Bom filme!

Anúncios

2 respostas em “Alexandria (Agora)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s